25 de fev de 2014

Por uma vida mais simples

Estou em uma vibe mais minimalista e tentando ser mais sustentável.

Bambino usou fralda de pano, dessas cheias de tecnologia. E oh, não me arrependo não. Além de serem lindas, são muito mais confortáveis, não dão assaduras. Suporta um pouco menos, e dão um pouco mais de trabalho pra lavar, não tenho porque menti. Mas vale a pena o conforto da criança e o meio ambiente.

Mas não quero viver com uma quantidade enorme de tralhas, casa cheia de coisas que na verdade não preciso e gastar dinheiro com coisas que na verdade não quero.

Eu li um artigo no UOL da Roseli Sayão sobre o custo de criar um filho. Leva-se em conta somente o $$$. E ela muito sabiamente aborda o custo emocional, físico e psicológico e o tempo que é dedicado para criar um filho.

Ela ali me traduzindo. As palavras vieram de encontro com aquilo que tenho acreditado (pois sim, somos mutáveis), colocando em palavras o que tenho sentido.

Ao demonstrar minha vontade de ter o segundinho aos familiares eu não tive sequer uma palavra de incentivo (exceto minha mãe que me pergunta quase mensalmente sobre quando virá hehe). Todo mundo demostra preocupação com grana.

Mas falando sério, fazendo uma análise bem racional me diz quantos sapatos um bebê que não anda precisa? Quantos sapatos uma criança que anda e tem somente dois pés precisa? Aqui em casa somente 3. Um tênis, uma sandália e um chinelo. Até porque perde muito rápido.

Isso vale também para os adultos da casa. Com uma variedade um pouco maior porque fazemos parte do mundo corporativo e ainda não consegui encontrar uma empresa que não ligue pra isso.

Guarda roupa abarrotado me dá até raiva por três motivos: muito mais coisa pra deixar em ordem; muito mais roupa para lavar e passar desperdiçando recursos naturais e meu tempo e finalmente dinheiro empatado no guarda roupa.

Eu prefiro usar meu tempo e dinheiro em viagens, em dedicação ao meu filho, em momentos com meu marido, com meu Deus e a Sua palavra e em comida. Aí sim fico bem mais feliz.

Espero conseguir aprimorar cada dia mais.

Como diz um dito fashion: menos é mais.

Hugs

21 de fev de 2014

Efeito sanfona: as delícias de se tornar praticamente um instrumento musical

E aí que depois do nascimento do bambino a primeira coisa que escutei enquanto ainda era remendada e marido acompanhava o bambino foi: quantos kilos você engordou??

Ao responder que foram 12 kilos veio o veredito: será fácil perder pois foi pouco. O anestesista me disse isso.

Engraçado como isso é incutido na sociedade. Ele não me perguntou se eu estava preparada para amamentar, por exemplo.

E aí que enquanto eu fazia papel de mumu, pois tive muitooo leite, voltei ao meu peso em 5 meses. Quando voltei ao trabalho até meu chefe da época (que é muito discreto) disse que eu estava magra. Isso sem esforço, graças a amamentação.

Quando parei de exercer meu papel de leiteria e passei por um stress corporativo digno de tortura o negócio ficou feio. Engordei pacas.

Passado 1 ano de sobre peso iniciei a dieta com uma medica locona (tenho o dom pra achar essas figuras) e perdi 9 kilos em pouco mais de 7 meses.

Mantive o peso por 1 ano. E depois de 1 ano eu engordei. Sim engordei. Juroooo que não sei que pecado eu cometi pra merecer isso.

Agora estou eu novamente na dieta pra perder 5 kilos dos 4 que engordei. Eu não sei o que esses endocrinologistas tem na cabeça. Perder mais do que eu engordei!!!

O discurso é que sou baixa e que ficarei melhor mais magra.

Só falta convencer a minha lombriga que doces não nos apetece mais.


13 de fev de 2014

Momento de aquietar

Sabe que em alguns momentos eu fico aflita. Vem meio que sorrateiramente e quando percebo estou com o coração aflito.

Não gosto de me sentir assim, afinal meu coração está nas mãos de Deus e Ele cuida de mim.

Nesse momento repito para mim mesma:

"Aqueita-vos e sabei que eu sou Deus, serei exaltado entre os gentios e serie exaltado sobre a terra"
"O Senhor dos exércitos está conosco, o Deus de Jacó é o nosso refúgio" - Salmos 46:10-11

Sabendo disso o que temerei? Afinal o que estou temendo??

Very good question!

Não sei. Ou sei mas ainda não trouxe para o mundo concreto o que passa no meu coração.

Mas a vida é feita de decisões. Eu decido me aquitar pois Ele é Deus e cuida de mim.

Confuso não!?!? Mas é o que tem pra hoje.

Hugs.



8 de fev de 2014

Mudança + bambino doente = CAOS

Estou cansada, bem esgotada mesmo.

No último final de semana tivemos mudança de casa, ou seja, tudo pra colocar no lugar. Isso pulando a fase prévia de tirar tudo do lugar, que graças ao bom Deus passou.

Tirando o stress da mudança, bambino está doente. Em 48 horas fomos ao hospital 3 vezes pois a febre não cedia.

Além da dor de garganta ele está com feridas na boca (resultado da febre) e não está comendo nada e chorando muito.

Bate o desespero, pois já senti que emagreceu. E sei muito bem o que ele está sentindo. Eu sofro de aftas desde que estava no útero, isso me acompanha quinzenalmente quando elas estão boazinhas. Quando elas estão em uma fase "Maira eu te derrubo" são duas na semana. Então é muito difícil ver meu pequeno assim. 

Pra ajudar só mais um pouquinho ele não quer tomar os remédios. É tortura, pois precisamos (sim, no plural. Um só não dá conta) segurar e enfiar na boca. Sessão de tortura mesmo!!

E não importa se o remédio é doce. Na boca dele é amargo e acabou.

Bom, espero que tudo isso passe logo e que a quarta-feira possa chegar logo. Esse é o dia que acaba o antibiótico. 

Vem quarta-feira, vem!

5 de fev de 2014

Não lembro onde eu li

Que as crianças não precisam de limites, mas sim de ajuda para compreender os limites que já existem e são muitos!

Fica a dica pra mim mesma, que muitas vezes acho que dou poucos limites ao meu filho quando na verdade ele precisa mais de ajuda pra entender esse mundo onde está a tão pouco tempo.

3 de fev de 2014

Ele e o sono

Até pouco tempo atrás o sono era problema aqui em casa. Gianlucca era (no passado graças ao meu eterno Deus) uma criança que não gostava de dormir. Pra parecia que era perder tempo.

Fizemos cama compartilhada por um bom período. Ele RN sempre esteve ao nosso lado e no máximo dormiu com o berço grudado no meu lado. Mas nunca deixei ele desamparado.
Dormiu bem mesmo em cima da minha barriga, escutando meu coração. No começo eu fiquei quebrada, afinal não podia sequer me virar, mas as cólicas pegavam e assim ele ficava bem e por consequência eu ficava bem.

Acabou minha licença maternidade e coincidentemente (ou não?!!) ele não queria mais dormir. Todas as noites eram mamadas sem parar, me queria de qualquer maneira. Continuei com ele dormindo do meu lado, mesmo assim o sono não rendia.

Um pouco maior saí do trabalho e fiquei em casa exclusivamente com ele por 4 meses. Mas adivinhem?? O sono não melhorou. Decidi então, logo após completar 1 ano, colocar no berço. Mas o berço ficava no nosso quarto e eu grudava ele na minha cama.

Depois ele foi para o quarto dele e eu ficava com ele dando colo e ninando até ele dormir.
Aí galera eu fui me acadando. Física e psicologicamente.
Gianlucca dormia cerca de 4 horas. Eu que saia (e ainda saio) de casa as 5 da matina ficava daquele jeito, bem disposta (not!)

Pior de tudo, quase 1 ano sem engordar ou crescer. Pediatra dizia que era normal. Pra cima de mim?? 
Fomos buscar outra ajuda e novo pediatra nos indicou um endocrinologista além de neuro para ver a questão do sono.

Nem precisou do neuro. Encontrei em sampa um velhinho endocrinologista que através dos medicamentos antroposoficos colocou as coisas no lugar, está crescendo e engordando. Inclusive a rinite, acabou minha gente. 

Antes minha casa era a extensão da farmácia, cheia de anti-alergicos, antibióticos e hoje nadinha de nada. Mas ainda continuamos o tratamento com o bom velhinho. Agradeço a Deus por ter encontrado esse médico.

Hoje temos nossa rotina estabelecida e tem funcionado.

Brincamos juntos (comigo ou pai), tomar banho, escovar os dentes, ir para o berço (pega o travesseiro e vai sozinho), cantamos, embalo no colo (com os braços quase em grangena pois ele está bem pesado) e volta para o berço.

Explico que eu também vou pra minha caminha descansar, falamos com Deus rapidamente (pois ele não tem muita paciência) beijo e tchau.

Algumas vezes já estou no meu quarto e ele pede colo. Eu volto e dou. Canto mais uma vez (ele sempre pede), berço, beijo e tchau.
Repito o processo quantas vezes forem necessárias. Já fiquei nessa vibe 1 hora, mas sem choros.


Algumas vezes ele quer dormir conosco e nós deixamos. Outras vezes ele está quase dormindo mas me chama pra certificar que eu ainda continuo por perto. Só de dizer "estou aqui" ele se aquieta e dorme. Ainda outras vezes quer dormir na vovó e também deixamos.

Assim estamos caminhando, muito mais felizes e com criança bem disposta.

Hugs.
Ma