31 de ago de 2015

E o parto?

Demorei 30 semanas para escrever sobre um dos pilares dessa minha segunda gestação.

Eu me conheço, mas demoro pra nomear as coisas que sinto. Mas quando bate o incomodo, é porque tem coisa que precisa de nome. Talvez a demora em escrever sobre o parto é justamente pela dificuldade de dar nome ao que me incomodava.

Finalmente encontrei e estou aqui. O que me incomoda é o elitismo.
Pode parecer estranho, mas é isso mesmo. O elitismo vem me incomodando e não é de hoje.

Eu já relatei meu parto e as razões que me levaram até ele. Não tenho nenhuma ferida física ou emocional da decisão que tomei. No entanto depois de 4 anos lendo muito sobre isso, eu já havia decidido antes mesmo de engravidar que teria um parto domiciliar.

Meu sonho é parir em casa, perto do meu filho. Não gosto de ambiente hospitalar, tenho até receio de travar meu parto quando chegar ao hospital. Mas não será possível. É financeiramente inviável.

É aí que entra o elitismo, e o ativismo para poucas.

Hoje há sim uma tentativa de retomar aquilo que é natural. Vamos aos fatos: a humanidade nasceu de partos vaginais! Há pouco tempo que o nascimento deixou de ser um evento fisiológico para se tornar um evento médico.

Esse tentativa é digna de aplausos, apesar de ser conduzida de maneira equivocada, ao meu olhar. Não é correto colocar mulheres em duas categorias diferentes: aquelas que pariram e aquelas que não pariram (apesar que considero cesárea como um ato de parir, é preciso coragem para fazer uma cirurgia de grande porte, como é uma cesárea e depois de poucas horas assumir os cuidados da cria). Não se joga mulheres contra mulheres.

Da mesma maneira que não acho correto a indução de cesáreas por médicos através do medo. Bebê grande, que não tem dilatação suficiente, circular no cordão, placenta velha, parto seco e muito  mais.

Pior ainda são aqueles partos ditos normais, que no entanto são partos regados a violência: humilhação física (como 50 mil pessoas diferentes fazendo toque), violência psicológica (o famoso "na hora de fazer não gritou"), manobra de Kristeller (que consiste alguém subir em cima da barriga e empurrar o bebê), episiotomia (o famoso "cortinho") e por aí vai.

A questão é profunda. É lindo a obrigação de um partograma, no entanto como os profissionais farão partos normais respeitosos sem esses absurdos acima, se não foram preparados para tal?

Eu participo de alguns grupos de partos humanizados, que visam dar a mulher conhecimento de causa e empoderamento. E facilmente se lê: quem quer um parto humanizado prioriza e consegue. Naquela velha máxima que é melhor pagar uma equipe do que ir até Miami fazer o enxoval. Percebe a incoerência? Quantas são as gestantes que vão para Miami fazer o enxoval? É aí que está o elitismo.

O movimento de humanização do parto por muito tempo focou em quem pode pagar. É necessário brigar por mudança no SUS, fazer reciclagem desses profissionais pois são eles que atendem a maioria das gestantes. E ainda se torna uma alternativa para as mulheres que são atendidas por convênio terem onde procurar um parto respeitoso.

Temos vários lugares que atendem SUS e que são referencias no atendimento humanizado. Mas  até a página 2. Das 3 casas de parto de São Paulo, todas elas não atendem gestantes com cesárea anterior. No fim se propaga a máxima de que cesárea uma vez é sempre cesárea. Um absurdo.

Resta então poucas opções:

- Sorte de encontrar um médico que respeite suas escolhas. Geralmente descobre-se se é verdade somente no final, quando a pressão por agendar o parto acontece.
- Contratar uma equipe humanizada e para isso você terá que: deixar de ir pra Miami (hahaha) ou vender o carro ou fazer uma rifa na internet.
- Sorte nº2 de ter em sua cidade uma das poucos unidades do SUS que tem atendimento humanizado e não ter cesárea anterior.

No meu caso estou contando com a sorte número 1: ter um profissional que verdadeiramente respeite minhas decisões. Saberei somente no final se assim será. No entanto temos o plano:

- Um plano de parto bem claro e estruturado. O próprio médico pediu que eu fizesse. Rodrigo terá de decorar.
- Vamos protocolar no hospital meu plano de parto.
- Preparo powerfull do marido. Ele será o garantidor das minhas vontades.
- Escolhemos o hospital que tem mais estrutura para parto normal
- Só vou internar a partir de 7 cm de dilatação, nem que eu tenha que assinar qualquer termo pra ser liberada. Ainda estou estudando se vamos ao hospital monitorar a dilatação ou se vamos pagar consulta para alguma parteira vir em casa pra verificar dilatação e coração do bebê (a consulta é bem mais barata que o acompanhamento do parto e tem duração de 1 hora).
- A doula iríamos contratar, fui conhecer e tudo. No entanto por questões financeiras não iremos fechar. Já estou vendo a preparação do marido pra ser meu "doulo". Ele vai aprender as técnicas de massagem e tudo.
- Começo os exercícios do períneo para evitar laceração na semana 35. É uma massagem no local além de exercícios específicos de agachamento. Marido será responsável pelas massagens.

Dr. André sempre me diz que o parto é meu. Não é contra parto normal depois de cesárea e isso já faz dele muito mais atualizado que muita gente aí. No entanto tem uma restrição, não faz parto pélvico, esse é o limite dele.

Se Giuseppe estiver pélvico? Vou atrás de uma versão cefálica externa, que pode ser feita a partir de 37 semanas. Se mesmo assim não resolver, aí eu vejo que faremos. O importante é que temos as regras claras.

Confesso que tenho até preguiça de pensar que terei que brigar para parir. No entanto na hora tenho certeza que vou tirar forças internas pra ter minha vontade respeitada. Rodrigo é bom de briga, isso já me ajuda.

Até onde eu vou na imposição do meu parto normal? Até onde EU estiver segura e confortável. Não é porque a enfermeira obstétrica do hospital estiver me dizendo que preciso parar de me movimentar que eu vou parar, entende? Ou que me digam que tem mecônio e eu preciso ir pra cesárea se estou confortável em segurar mais 2 ou 3 horas monitorando o bebê. Ou ainda que preciso de ocitocina porque minha dilatação não evoluiu na ultima hora de trabalho de parto. Enquanto eu estiver confortável e segura, seguirei.

Claro que conto com a ajuda do meu amado Pai que através do seu Espírito Santo irá me guiar. O mesmo que me fez escutar o pulsar do cordão do meu filho mesmo antes de ter confirmado, irá me auxiliar.

E se eu precisar de uma cesárea, por conta de uma desproporção céfalo-pélvica (quando a cabeça do bebê é grande demais para a passagem da bacia da mãe - detalhe, só é possível diagnosticar isso quando a mulher está com dilatação total, assim é mandatório que se tenha o trabalho de parto pra diagnosticar) eu farei, sem dor no coração.

Duas coisas não farei:

  •  uma cesárea eletiva. Dessa vez eu entro em trabalho de parto e meu corpo vai ter que trabalhar.
  • Indução de parto antes de 41 semanas. Nem mesmo deslocamento da membrana.
É isso. Quando terminado eu vou compartilhar aqui meu plano de parto. E volto também para linkar algumas informações sobre o períneo e como estamos indo nesse caso.

Deus abençoe.

12 comentários:

  1. Maira, compartilho do mesmo ponto de vista seu a respeito da luta pela humanização do parto aqui no Brasil e da questão do elitismo. Também não posso pagar por uma equipe humanizada e terei que contar com a sorte de que a minha obstetra respeite as minhas escolhas. Mas, o pior ao meu vê está sendo lidar com a pressão dos amigos e familiares de ceder a uma cesária eletiva. Espero que nós duas tenhamos a mesma sorte de termos as nossas escolhas respeitadas. Bjos!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lyanna querida, a familia pesa mesmo! Todos me perguntam se vou mesmo esperar normal, que sou pequena, se vou mesmo aguentar! É complicado!

      Mas tenho certeza que vamos conseguir, nem que tenha que brigar! Boa sorte pra nós! Bjs

      Excluir
  2. Oi Maira,
    Quase não comento porque você falou tudooo que penso!
    Defendo o parto normal, mas não apoio esse "ativismo elitizado".
    Tenho tentado aprender ao máximo, me empoderar, para sustentar decisões na luta pelo parto normal. Mas se não der, também não tenho neuras.
    Por aqui temos uma casa de parto humanizado, SUS, bem conceituada e vou lá conhecer. Entrego meu plano de ter parto normal a Deus e sei que Ele vai providenciar tudo!
    Beijoss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. PVzinha amo teus comentários, nunca deixe sem suas palavras!
      Que maravilha que você tem a opção da casa de parto. Vai mesmo conhecer!
      Eu queria tanto uma perto de mim! Aqui o SUS é cruel, eles não esperam não, mandam pra cesárea mesmo ou quando nasce normal é daquele jeito. Regado a crueldade, infelizmente!
      Tenho certeza que iremos conseguir!! Deus é conosco.
      Bjs!

      Excluir
  3. Tenho estes mesmos planos, estes mesmos sonhos,mas com a dificuldade de morar muito longe da "civilização". Hospital só a 1h de distancia. estamos pensando em alugar casa no ultimo mes mais perto do hospital. e já vi estes mesmos problemas. Um parto humanizado sai a uns 15 mil reais. Uma enfermeira obstetrica para acompanhar o parto a uns 1500 reais, para ficar monitorando batimentos cardiacos. ainda nao achei um obstetra para chamar de meu, mas a que tenho marcada dizem que faz parto normal, mas cheio daquelas intervenções, e eu acho que mato quem quiser fazer uma episiostomia em mim. enfim.... mesmo barco. Boa sorte!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É complicado Mamuska!! Por aqui o preço é isso tbem, surreal!!
      Saber que muitos países ainda pagam a equipe pra vc ter em casa, é um sonho! Nos falta opção.
      Se fizer episio em mim eu chuto a pessoa, juro! Já até avisei hahahhaha.
      Espero que você encontre o medico!! Que Deus irá nos guiar nesse caminho, eu creio. Bjs

      Excluir
  4. Li o post dias atrás, mas comentei só hoje. Nunca quis fazer um parto domiciliar, pois tenho medo de algo dar errado e não ter todos os apetrechos necessários, sei lá ... prefiro um hospital mas com meus direitos respeitados e a minha individualidade também. Estou começando a montar meu plano de parto mesmo contra todos da minha família, que dizem que é besteira e que ninguém vai me dar ouvidos, porque na hora tudo é diferente. Meu marido me apoia no que for,afinal ele quer que a Sofia nasça bem, para ele amassar muito . kkkkk
    Depois mostra o teu plano de parto, ainda estou pesquisando e tirando dúvidas.

    Beijo,
    Decidi ser Mãe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mika

      Amo trocar idéias :-))
      Sabe que tenho receio mesmo de travar meu parto quando chegar ao hospital. Preciso preparar meu psicológico pra isso. Sabe com equipe bem equipada os riscos são mínimos no domiciliar, mas tenha bolso pra aguentar pagar, infelizmente.
      Antes não existia nada disso, é como dizer ao médico o que ele deve fazer, é difícil o pessoal entender. Eu nem entro muito no detalhe pois inevitavelmente me dizem porque tive cesárea com Gianlucca eu não posso tentar. Minha irmã passou por 4 cesáreas e a familia já comprou essa idéia de uma vez assim, sempre assim.
      Vamos sim trocando figurinhas!
      Bjs

      Excluir
  5. Ihhh meu primeiro filho nasceu de parto normal...mas o segundo foi de cesariana de emergencia
    Sera que vou enfrentar esse problema de nao poder ter um parto normal pq tive uma cesarea anterior?
    O preço aqui pra ter uma doula acompanhando tbm é bem alto...
    bjo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Nise

      Por ter um parto normal anterior já é meio caminho andado! É mais difícil quando é só a cesárea.
      Tenho certeza que vamos conseguir! Pelo menos temos o direito de tentar até o fim.

      Bjs

      Excluir
  6. Ainda bem que não tenho coragem de ter o bebê em casa, porque não teria condições financeiras para tal rsrs...
    O hospital do meu convenio só faz cesárea em últimos casos, mas de que adianta não fazer cesárea e fazer um parto anormal? Difícil neh!!!
    Então aqui escolhemos pagar a médica por "N" motivos entre eles está ter um parto normal que seja "normal". Quando eu disse pra médica que queria normal, ela disse que adora fazer PN, mas ainda não sei como vai ser...

    Amei o marido doulo hahaha... que bom que você pode contar com ele...
    Ah, e iria adorar saber mais sobre esses exercícios no períneo, estou com 36, será que ainda dá tempo???

    Bjos!!!
    Ly

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ly

      Meu sonho parir em casa, quem sabe em uma terceira gestação né?! Hahha
      Tomara que a médica faça valer todas as suas escolhas, torcendo muito aqui!
      Dá tempo sim da massagem!! Vou te enviar alguns links.

      Bjs

      Excluir

Eu amo seu comentário, e amo responder seu comentário também!!
Por isso optei em moderar, apenas para não deixar nenhum sem resposta.