29 de dez de 2014

Resoluções de ano novo

Eu não vejo a hora de 2015 chegar, preciso de férias com a máxima urgência e elas serão somente em Março.

Mas não posso deixar de registrar meu agradecimento à Deus por mais esse ano. Ano difícil, mas um ano que foi extremamente educador. Eu aprendi que um dia de cada vez faz toda diferença, que como diz a bíblia "basta cada dia o seu mal", ou seja, planejo, sonho, mas vivo um dia de cada vez. Os desafios devagar vão sendo atingidos.

Esse ano perdi o emprego dos meus sonhos. Cheguei a fase final onde era eu e mais uma pessoa. Chorei quando recebi um não. E dos muitos que tive nessa vida, em multinacionais gigantes, esse me foi o mais dolorido pois era o mix de tudo que sempre busquei desde que bambino nasceu (vida profissional integrada com qualidade de vida). Nesse episódio eu aprendi que minhas vontades não são decretos onde o céu tem que dizer sim.

Hoje, cansada e mais cansada que estou, de um ano onde expectativas (as mais diversas) não foram correspondidas, onde trabalhei demais, onde os kilometros que ando todos os dias parece que tem se multiplicado, onde fui vencida por situações que eu jamais achei que viveria, me despeço de 2014. E para 2015 eu quero:

1 - Ler a bíblia todos os dias
2 - Caminhar duas vezes por semana.
3- Brigar menos com meu filho e marido
4 - Cheirar, abraçar e beijar mais meu marido e filho.
5 - Participar de alguma corrida de rua.
6- estudar italiano, com urgência. Deveria ser uns dos primeiros, but...


Querido Deus, obrigada e como Samuel eu digo:

"Ebenézer: Até aqui o Senhor nos ajudou" - 1 Samuel 7:12

27 de dez de 2014

O Dinheiro e a Vida

Inicio o post enquanto faço o jantar, sem carne! Afinal, Natal é sinônimo de carne na minha família.

Mas enquanto espero o ponto do arroz, tempero o feijão, e aguardo o momento de bater o omelete, eu precisava vir aqui escrever. Precisava!

Faz um certo tempo que a relação com a grana me incomoda um pouco. Começou quando bambino nasceu e eu percebi que apesar de querer tudo no enxoval, o que ele precisava mesmo era bem menos.

Acho que já disse que Gianlucca mudou minha vida por completo. Foi ele que deixou pra trás uma ex-futura-CEO e trouxe a mulher que não vê a hora de poder ficar em casa cuidando da cria. Se isso vai acontecer, só Deus poderá dizer!

A relação Maira-Consumo mudou quando abri meus olhos para as fraldas de pano. Todos que estão fora da minha órbita maternal ao saber que usei fralda de pano, 99% me dizem: se você tivesse feito chá de fraldas (não fiz absolutamente nada!) não precisa ficar economizando agora com esse negocio antigo. O 1% me dizem: porque?!?

A saber, eu não usei por questões financeiras. Ajuda, claro! Mas o que estava em pauta na escolha aqui em casa era o meio ambiente e a saúde de bambino. Já parou pra pensar o quanto de química tem uma fralda descartável? Agora isso 100% do tempo em contato com a pele de um baby?!? Sem condições.

Hoje não sou uma pessoa consumista. Me contento com pouco, e tenho apenas 1 bolsa e pouquíssimo sapatos. Já falei um pouco sobre isso, e não me incomodo quando as pessoas no escritório me dizem que meu marido deve ser bem feliz, pois não sou gastona (a exceção é comida hahaha).

Mas o que me traz a esse tema? Coisas que escutei nesse Natal.

Minha família não é pentelha, não fica nos dizendo coisas desagradáveis, apesar do teto do vidro (como cama compartilhada que ainda rola aqui em casa) e as conversas são muito amigáveis. Mas dois episódios, me chamaram a atenção.

Sempre ficamos na casa da minha vó materna. A casa é grande e moram somente os dois.
No dia 26 a tubulação de água rompeu bem em frente da casa. Alguns pessoas estavam lá para abrir o buraco na rua e consertar. Gianlucca que é louco por máquinas e caminhões ficou louco! Acompanhou de perto e queria ir ajudar a trabalhar (sem querer, estamos criando um workaholic). O motorista do caminhão (que conhece meu tio) veio me perguntar se ele gosta, se eu vou incentivar e dispara: "mas fala pra ele fazer engenharia, pois isso aqui não dá dinheiro!"

A tarde fomos para o sítio onde minha tia mora e quando estávamos na piscina minha prima conta sobre a conversa do noivo dela com o chefe, onde ele diz que ele não é funcionário pra ganhar determinada quantia, mas sim muito mais.

Aí eu fico pensando que estou na contra-mão desse mundo. Ok, dinheiro hoje é necessário pois estamos no mundo e o escambo não faz mais parte do cotidiano. Mas estamos resumidos a isso? Isso é viver? De verdade?

Conheço um cara que hoje diretor de uma grande empresa, apesar do cansaço extremo e da falta de vida pessoal não consegue mudar de rota, e disse que o dinheiro vicia. Eu não duvido.

Do outro lado, conheço pessoas que vivem com bem menos do que nós em casa e estão super bem! Muitas vezes passarão a vida sem conhecer a Europa, mas emocionalmente felizes, saudáveis.

Eu sou a favor do equilíbrio, sempre! Apesar da planilha excel me dizer o contrário, eu prefiro acreditar que não faço parte desse mundo escravo, onde o que se resume mesmo são os números no holerite no final do mês. E que a vida é muito mais do que isso.









21 de dez de 2014

A despedida da chupeta

Gianlucca não usa mais chupeta, agora é oficial!! Todos comemoram eeeeee

Foi um caminho longo, mas a despedida não foi milimetricamente planejada, assim como a mamadeira, ou as fraldas.

Era quarta-feira, cheguei no trabalho e já no carro senti que ele estava bem quentinho. Em casa foi para o banho e já estava mais fresquinho.

Naquela noite ele dormiu comigo, e Rodrigo na cama dele. Passado um pouco das 2:00hs bambino encostou em mim e estava queimando. Eu não encontrei o termômetro e mediquei. Pela manhã decidi não trabalhar e levar ao pediatra.

Fazia 1 ano que ele não ia ao médico, e depois do puxão de orelha, fomos ver como estava bambino. Era garganta. Antibiótico.

Médico disse sobre a dificuldade de falar "S", ele fala entre os dentes e me disse que já tinha passado da hora da chupeta se despedir. Encaminhou para Fono.

Eu saí daquele consultório decidida a não dar mais a chupeta. Quando ele pedia dizíamos que não tínhamos encontrado.

Foram dias complicados, principalmente para dormir. É impressionante a maneira como ele era dependente da chupeta para relaxar.

Ainda hoje nos pede a chupeta, e não sei como ele não pediu para comprar outra (era sempre o primeiro pedido ao dizer que perdeu). Realmente estava na hora, prova disso era não pedir.

Passei uns dias em São Paulo devido compromisso do marido com a Associação Italiana e disse pra ele que o levaria ao parque da Xuxa (era o mais próximo da casa da tia do meu marido :( ) em comemoração a separação, ele não usava  mais chupeta. E ele em toda sua sagacidade me diz: Eu uso chupeta, eu perdi, mas ainda uso. hahaha

Mesmo assim fomos e ele se divertiu bastante. Apesar de alguns brinquedos não ter altura mínima para ir. Assunto para post futuro.

É isso! Ainda nos pede um pouco, principalmente em momentos de crise, mas depois de 3 semanas eu considero oficial :-))

15 de dez de 2014

O filho único

Aqui em casa temos o hábito de fazer cócegas soprando a barriga.

Hoje enquanto Gianlucca fazia na minha barriga, me dei conta que ele não fará isso comigo grávida.

Não haverá interação entre irmãos intra-utero. Nem pós útero.

Quando me dei conta disso, comecei a chorar, mesmo que estivéssemos brincando.

Nunca me imaginei ser mãe de filho único.
Mas Deus sabe o que faz.

Agradeço a Deus por ter me dado a oportunidade de gestar meu amado filho. Amamentado meu bambino querido. Por ter realizado meu milagre e ter concretizado o desejo mais profundo do meu coração.

É isso. Acabou projetos, tentativas, expectativas.

Agora é viver.

3 de dez de 2014

O dia que virei má cuidadora de animais

Senta aí queridos que lá vem a história, veridica, pra minha infelicidade e chateação.

Eu comentei há uns 2 meses atrás sobre a adoção de uma cachorrinha e como bambino é louco por ela.

Por razões que não posso explicar aqui, decidimos encontrar um novo lar pra ela. De maneira completamente humana, cuidadosa.

Aí inocentemente cometi alguns erros.
1- comentei com a pessoa que adotei que não poderia ficar com ela e expliquei a razão superficialmente. Nossa conversa foi por whatsapp, como sempre ocorreu nesses últimos 3 meses.
2- ela me pediu uma foto e mandei uma ao meu lado e outro na bagunça onde ela estava com uma escova de dente (gentilmente cedida pelo bambino), um tênis que ela pegou de dentro do armário e alguns copos plásticos que ela pegou no armário da cozinha. Sim, ela é um filhote furacão.

Aí começou meu martírio. Essas fotos foram enviadas para outra pessoa, que descreve a situação como a seguinte:

"Sendo devolvida. Temos razões para acreditar que está sofrendo maus tratos. Precisa de um lar de verdade, onde seja educada, amada, vacinada. Perceba que nem brinquedos adequados ela tem"

No mesmo momento (as 23hs de um domingo) entrei em contato com a pessoa que realmente é meu contato e disse que o que estava escrito lá é tudo mentira!!!

Sophie, minha gente de Deus, só come razão super premium que custa uma pequena fortuna, come um ossinho por dia, recebe vermífugo a cada 15 dias por conta de um problema no intestino, nunca foi agredida e tem bambino. Minha vontade é filmar a alegria dela quando chegamos em casa. E sim, ainda está sem vacina devido o tratamento que estamos fazendo com vermífugos.

A pessoa retratou o post. Mas o estrago já tinha sido feito na minha alma.
Chorei a noite como se algo dentro de mim tivesse morrido. Juro!! Estava inconsolável.

Demorei dois dias para digerir tudo o que estava sentindo. Porque aquilo tinha me impactado tanto.

Como passei de heroína salvadora de um bichinho e me transformei em uma pessoa que em seguida os maltrata?

Respostas:
1- pela falta se empatia do ser humano. Em nenhum momento foi considerada a razão da minha "desistência".
2- não supri a expectativa de pessoas que não me conhecem.
3- não consideram como estou conduzindo o processo de maneira humana, levando em conta o bem estar dela. Ela ainda está conosco, não vou deixar sem abrigo, nunca!

Sendo eu uma pessoa que acredita na criação com apego, cama compartilhada, criação sem violência poderia ser tão diferente, ser Monstra com os animais?!?

Arrependimentos desse acontecimento: ter envolvido a pessoa inicial nessa nova busca por um lar. Deveria ter resolvido sozinha, como atualmente estou fazendo. E ter mandado a bendita dessa foto, onde minha intenção era mostrar ela brincando.

Lição: a internet é mentirosa e destruidora de sonhos, reputação e causadora de angústia. Saiba usar! E lembre-se que sempre somos responsáveis daquilo que falamos e escrevemos.

Lição 2: adote. Sempre é uma lição, sempre.