18 de mar de 2014

O dia surto - a retirada do DIU

Meu até então GO - amigo intimo das pessoas mais piradas - havia recomendado que eu retirasse o Mirena por algumas razões. Eu estava no meio do processo de emagrecer e tenho tendência genética ao diabetes (e na época estava pré diabética) e segundo ele o hormônio dos anticoncepcionais nada ajuda e finalmente disse a ele da minha vontade de voltar a procriar.
A recomendação veio em Outubro/12 e eu retirei somente em Agosto/13. Percebe-se que sou adepta da reflexão prolongada.

Aí que quando me dedici fomos fazer os exames. O bonito do Mirena estava atravessado, fora de posição. GO disse que talvez precisaríamos de anestesia pois eu nunca tinha tido parto normal, até daria pra tirar por vias normais, mas tive dó de mim e optei por me internar.
Lá vamos eu e marido para o São Luiz em uma quinta-feira de manhã. Estava sem comer desde a noite anterior por conta da anestesia. Com muita fome e já no centro cirúrgico com a roupa by vergonha alheia o GO chegou mas nada do anestesista. Nisso eu cada vez mais irritada com vontade de ir embora.
Chegou o bonito atrasado e me explicou que iria primeira me dar um sossega leão e depois aplicar a rack (assim que escreve?!). Eu super tranquila como se fosse fazer uma limpeza de pele, afinal eu já havia tomado a anestesia para o bambino nascer e não passei mal.
Detalhe que anestesia em mim demora pra "pegar". Quando eu acordei estava sentada na mesa e ele aplicando a anestesia na minha coluna comecei a sentir choques nos meus pés. Reclamei e apaguei. Acordei já no quarto com marido me olhando.

A previsão do GO era alta às 17hs. Eu me apeguei a isso fortemente e queria estar em casa antes de anoitecer (eu moro a 80km de SP).
Passado umas 3 horas eu tive vontade de ir ao banheiro, mas não consegui levantar. Apesar de sentir minhas pernas não conseguia suportar meu peso. Precisei de sonda para fazer xixi e não doeu. Estava ainda muito anestesiada.

Enfermeira me deu veredito. Se eu não conseguisse fazer xixi sozinha não me deixariam ir embora. Pense em alguém que surtou? 
Eu tremia muito (até o queixo sabe?!) e chorava. Falava para o Ro que queria ir embora, eu PRECISAVA ver o Gianlucca.
Ele estava muito bem cuidado com os meus pais. Liguei diversas vezes chorando pra minha mãe dizendo que eu não conseguia levantar e precisava ir ao banheiro sozinha para que eles me liberassem e ela tentando me acalmar.

As 23hs eu consegui ir ao banheiro e apesar de não sentir direito minha perna esquerda não falei pra ninguém. Somente para o marido mas quando eu já estava no carro. Fui de sapato de salto (baixo, mas tinha) e não sei como consegui caminhar.

Daquele dia eu dei o veredito pra mim mesma e para o marido. Meu próximo parto será em casa. Não vou me afastar do Gianlucca para ter meu segundo bebê. O conforto da minha casa é necessário!
Muito antes de retirar o DIU ou de pensar na segunda gestação eu pesquisa muito sobre parto domiciliar. Fomos (eu, marido e Gianlucca) a uma palestra com uma parteira sobre isso. E estou em busca de um médico que aceite esse desafio comigo.

Eu não sei como eu consegui ficar 3 dias no hospital pro pequeno nascer. Não sei como pra mim a anestesia do parto e o parto cesáreo foi tão tranquilo. Talvez pela recompensa que estava no meu braço, mas não quero passar por isso novamente.

Talvez esse procedimento abriu feridas que nem eu sabia que existiam. Louco né?!
Estava passando por um momento de stress quando tudo isso ocorreu. Trabalho estava o verdadeiro suplicio, eu não estava bem de saúde, culpa materna level 1000, marido nem me aguentava de tanto stress. Acredito que isso somou.

Desse episódio saiu minha decisão. Ro concorda comigo mas acredito que ele ainda não se empoderou o suficiente. Teremos tempo, afinal ele me pediu mais 2 anos para ter o próximo. Assim além da poupança que teremos que fazer sobra tempo para se emporar.

Hugs

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eu amo seu comentário, e amo responder seu comentário também!!
Por isso optei em moderar, apenas para não deixar nenhum sem resposta.